quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Caio F.





Todo livro meu tem assinatura, mês e ano de compra. E escrito a lápis, os números de página para eu voltar depois. Este é de maio de 2005. Tentei lembrar por qual razão comprei, ou onde, ou das três páginas marcadas. Não lembrei nada, nada. Mas este poema estava:




ALENTO

Quando mais nada houver,
eu me erguerei cantando,
saudando a vida
com meu corpo de cavalo jovem.

E numa louca corrida
entregarei meu ser ao ser do Tempo
e a minha voz à doce voz do vento,

Despojado do que já não há
solto no vazio do que ainda não veio,
minha boca cantará
cantos de alívio pelo que se foi,
cantos de espera pelo que há de vir.

4 comentários:

Mari Cuencas disse...

*Mariana abrindo o berreiro*

Uaaaaaa, que lindo!!!

Veneranda Pedroza disse...

Uaaaaaa, que lindo!!! [2]

Todo livro meu tem, além da assinatura e do ano, a estação do ano... acho poético...rs

Bj

Anônimo disse...

Os meus também tem tudo isso, exceto a estação[acho desnecessário-nada contra].

Gostei do 'ALENTO', estou bem assim:
Não sei quando, mas vai acontecer.
CERTEZA

Anônimo disse...

OOPS!!!;Esqueci de deixar meu nome

Beijos e abraços a todos

BRUNO SOARES DE OLIVEIRA