domingo, 22 de março de 2009

Sophya de Mello Breyner (1919-2004)


Não tenho vergonha de dizer que conheci a escritora portuguesa pela Maria Bethânia. Acho que foi no último show da cantora que prestei atenção nos versos que ela declamava.... aí depois fui ver quem era.... mas só. Não conheço quase nada... só alguns versinhos e dados de pesquisas bobas da internet. Mas da obra da Bethânia....eu falo uma outra hora....

Exílio

"Quando a pátria que temos não a temos
Perdida por silêncio e por renúncia

Até a voz do mar se torna exílio
E a luz que nos rodeia é como grades"

2 comentários:

Elaine disse...

Aliás...a Bethania leva tantos e há tanto tempo para a leitura de poetas e poemas. Papel fundamental de uma artista que sempre valorizou a palavra - cantada e falada - de quem as pronuncia com dignidade e paixão. Viva Bethania e viva Sophya de Mello e sua trajetória rumo ao sol...

"Tudo me é uma dança em que procuro
A posição ideal,
Seguindo o fio dum sonhar obscuro
Em que do bem, às vezes nasce o mal. (...)"
("Tudo", Poesia)

bjs, Elaine

Andréa disse...

Elaine,

Bethânia é tudo.

Bjs