quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Carta

Trecho de uma carta, escrita em 1985, de Caio F. Abreu para uma amiga:

"Mas não vou ceder. Foi a última paixão. Paixão é o que dá sentido à vida. E foi a última. Tenho certeza absoluta disso. Agora me tornarei uma pessoa daquelas que se cuidam para não se envolver. Já tenho um passado, tenho tanta história. Meu coração está ardido de meias-solas. Sei um pouco das coisas? Acho que sim, penso nele. Mas não vou ceder. Certo, certo: ninguém tem obrigação de satisfazer ao teu desejo, pela simples razão de que você supõe que teu desejo seja absoluto. Foda-se seu desejo, ora. Me dói não ter podido mostrar minha face. Me dói ter passado tanto tempo atento a ele - quando ele nunca ficou atento a mim"

Viva o Caio, viva a paixão, e viva o texto escrito com períodos curtos e lindos.

2 comentários:

Veneranda Pedroza disse...

Lindíssimo!
Um beijo... dessa que às vezes parece ausente, mas que está sempre presente, leitora.

Andréa disse...

Fique sempre por aqui, ok?
Bj