terça-feira, 5 de agosto de 2008

The american writer


Há alguns anos atrás comprei o livro "The American writer - shaping a nation´s mind" de Jack Cady. Uma das coisas que mais me chamou a atenção é quando o autor comenta o que seria de nossas vidas sem a arte como um todo. Geralmente é com uma adaptação deste texto que começo os meus cursos. E é mais ou menos assim (a tradução livre é minha, assim como as adaptações):

"Nós não somos humanos pelo poder político, ou pela educação, e nem pela religião. Nós somos humanos porque reconhecemos a humanidade nos outros. O escritor e o artista recorrem à humanidade. Por essa razão, literatura e arte são os ossos da civilização.

Aqui vai uma demonstração que você entende as coisas com o seu coração, mas não necessariamente com a sua lógica: Vamos assumir que a literatura e a arte são simplesmente inúteis. Elas não colocam comida no prato. Ninguém quer que seu filho seja um escritor ou artista, porque muitos escritores e artistas não podem sobreviver desta maneira, ao menos que tenham um segundo emprego....

Em primeiro lugar, vamos queimar toda a obra de Shakespeare. Vamos tirar a Nefertiti do Museu de Berlim e afundá-la de volta no Rio Nilo. Vamos invadir os museus da Europa, queimando a Mona Lisa e os quadros de Rembrandt e Renoir.

Depois de fazermos isso, nós levantamos as nossas cabeças e olhamos a nossa volta. A civilização ainda continua. Os carros ainda andam, as estradas estão abertas, e os trens praticamente no horário.

Ótimo. Agora vamos destrutir as gravações de Louis Armostrong e de Janes Joplin. Vamos nos livrar de composições diversas. Vamos queimar as obras de Beethoven, as pinturas de Van Gogh e os livros de Dostoyevsky. Vamos nos livrar de Jane Austen, Ernest Hemingway e Edgar Allan Poe.

Vamos incendiar os trabalhos dos poetas: Auden, cummings, Frost, Emily Dickinson. Podemos fazer uma reforma na Capela Sistina, transformando o local em algo útil, como um Shopping Center.

Em algum lugar, em algum momento da destruição, algo terrível aconteceu. Nós paramos a nossa caminhada em direção ao mundo dos seres humanos e estamos voltando ao estado de animais.

Os trens ainda estão no horário, mas nós perdemos toda a noção. Aquilo que sustentava nossos corações e esperanças morreu.

O romance, a pintura, a peça de teatro e a música são ossos que fazem parte do esqueleto da humanidade. Nós contamos as nossas alegrias e tristezas com história, peças de teatro, música, quadros, etc..."

Não é ótimo?

Um comentário:

rosemary disse...

Oi Andrea,

tô passada. Como é legal o seu blog. E o poema escolhido me lembrou as aulas de literatura que eu tinha na faculdade, me emocionou.
You rock!!!